quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Homem-Camaleão


Apesar de pouco divulgado o Brasil possui muitos Super-Heróis. Existe uma enorme gama de personagens independentes Brasileiros. Eu quero apresentar o Homem- Camaleão um personagem do outro lado do país...São Luís/MA.
Criado por Riccelle Sullivan ou Codinome: Suád Publicado por Homem-Camaleão nº1(Fevereiro de 1998) em um fanzine  na escola, vendido entre os alunos. Durante o período da escola foram lançados 21 exemplares e algumas edições especiais do personagem, depois que saí da escola, desenhei mais uns 15 números.
Hoje os HQs continuam com força total.


Suád  passou alguns anos desenhando outros personagens como, Menphis, Stryker e Àtomo.

História do Homem-Camaleão
O Homem-Camaleão é um personagem fictício criado por Riccelli Sullivan. É a identidade secreta de Sawane Sullivan. Sawane viu seu pai ser assassinado na sua frente quando era apenas uma criança e isso lhe causou um grande trauma psicológico, transformando-o em um jovem violento e amargurado. Sawane encontrou, através das artes-marciais, uma forma de canalizar toda essa energia e um novo objetivo: Encontrar e capturar o assassino de seu pai, que ele conhece apenas pela alcunha de Mestre-do-Crime. Desde então, Sawane vem agindo como o vigilante mascarado conhecido como Homem-Camaleão.
Desabafo do Autor: Suád

Desenho HQs desde que me entendo por gente. Na verdade é o que o sei fazer de melhor. Eu costumo usar sempre uma frase do Wolverine, que diz: “Sou o melhor naquilo que faço”.
“Eu espero poder estar contribuíndo para a histórias das HQs brasileiras, porque acredito que aqui no Brasil tem muita gente boa, que manda bem no traço, mas que tem seu talento desperdiçado por uma série de fatores. Eu sempre lutei contra isso, nunca deixei de perseguir o que gosto de fazer realmete e digo para aqueles que desejam seguir o mesmo caminho. Nunca desistam, por mais difícil que as coisas possam parecer. Continuem desenhando, continuem estudando, continuem evoluíndo!”
 

“As pessoas me perguntam que materiais costumo usar na hora que estou concebendo minhas histórias. Eu uso materiais bem rudimentares, caneta esferográfica e papel A4 comum e com isso eu consigo alcançar todos aqueles efeitos. Nunca me dei muito bem com material profissional, também porque nunca pratiquei com isso, e o pouco que usei não deu para o que queria e sempre eu voltava para a velha canetinha.”

Analise Crítica do Anjo Urbano
“Eu li e me diverti muito. Estou louco pra conferir o encontro do Homem-Camaleão com o Ciclone.
Recomendado “
J