sexta-feira, 20 de julho de 2012

Dia do Amigo. Anjo Urbano e Onça combatente

Em homenagem ao dia do amigo, posto esta foto do confronto do A.U. conta a Onça combatente. Personagem do grande amigo Mar.Co. Roteirista, amante de quadrinhos assim como eu. Esse era um projeto chamado encontros radicais. Na sequencia de postagens vou apresentar o embate destes heróis. E o início de uma grande amizade.

feliz dia do Amigo

Roteiro da HQ que logo será mostrada:


Onça e Anjo Urbano:
um encontro radical

Argumentação: Rodrigo dos Santos
História: Marcelo Correa “Marco”

O avião cruza os céus, como uma águia audaz e valente, enquanto persegue suas presas, era um 737 de transporte de passageiros, que saiu do Rio de Janeiro com destino a Caxias do Sul, em Rio Grande do Sul. E neste vôo estava Islaine.Como curadora de um museu e de uma galeria de artes, tem como principal trabalho, atrair a atenção do publico para a arte e encontrar novos e velhos artistas para expor suas obras de artes. E em Caxias do Sul, era uma oportunidade para isso, cidade histórica, com uma arquitetura formada por prédios históricos, quadros e painéis pintados por artistas do século XIX e XX.O avião saiu do Rio numa terça-feira com previsão de chegada no final da tarde. E sem nenhum imprevisto pousa no seu destino, com tempo suficiente para que ela visitasse alguns pontos turísticos da cidade, como os museus e o panorama da festa da uva e tirasse algumas dezenas de fotos para sua coleção particular,assim como qualquer pessoa, ela não perde a oportunidade de registrar os bons momentos de suas viagens.No finalzinho da tarde ela se dirige para o hotel que ficaria hospedada, pelos próximos dias, se registra e pega a chave na recepção, e no terceiro andar ao sair do elevador meio distraída se esbarra em um homem que vinha na direção contraria.__Opa, me desculpa.Era um homem jovem, de terno cinza e cabelos longos castanhos, ele responde:__Tudo bem! exclama e entra no elevador, subindo ao andar superior.O momento passa corriqueiro e ela segue seu caminho, andando pelo corredor e entrando em seu quarto.Ela se instala e liga para Miriam para contar as novidades.__Oh Miriam, você não sabe o tanto que essa cidade é linda, é uma pena que você mão possa ter vindo comigo.__Eu entendo, mas você me representa e se encontrar algum gatinho, fala bem de mim, ok?__Claro eu falo.__Ok, agora falemos de trabalho, tem muitas obras de arte bonitas ai?__Com certeza, eu só tive tempo de visitar alguns lugares, mas amanha de manha bem cedo e faço uma visita aos museus da cidade, quem sabe não surgem oportunidades de intercambio artístico...Enquanto ela se distraia conversando com Miriam ao telefone, uma sombra humana pôde ser vista atrás da cortina levemente azulada, subindo até o andar superior, e um leve ruído chama a atenção de Islaine, que vai até a janela para conferir, nada de estranho, ela se volta. Pouco depois o barulho de algo se quebrando no apartamento acima do seu, seguido de alguns estalos, atiça os seus sentidos de Onça.__Miriam, eu preciso desligar, estão batendo a porta, eu te ligo depois.__Tudo bem, ate mais.Islaine, rapidamente abre sua mala, e de dentro retira uma pequena valise, onde estava guardado seu uniforme de Onça.__Nunca se sabe quando vai precisar.Ela se veste rapidamente e num ousado golpe se joga pela janela, com o pé esquerdo apoiado na barra de proteção, ela se lança ao andar superior, se segura na barra de proteção e entra no quarto. De cara, vê o homem com quem a pouco se esbarrou no elevador, sendo espancado por outro, todo fantasiado e mascarado.__Hei você, solta este inocente.__O que?__pergunta o Anjo, assustado_ Está usando meninas até para te defender, seu covarde?E o homem aproveitando a distração, desorienta o Anjo com banho de wisk nos olhos do Herói e aproveita para fugir.__Por que você não luta com alguém do seu tamanho.Fala a garota enquanto o ataca com socos e chutes, e ele se esquiva na medida do possível, enquanto tentava explicar o que fazia ali.__Oh Guria Doida... eu não sou o vilão dessa historia, esse cara que você ajudou a fugir comanda uma rede de prostituição infantil.__Eu vi você ameaçando ele.__Eu só estava querendo algumas informações, ele é um criminoso, trabalha pra gente barra pesada.Onça não quer saber de papo e continua a lutar com seqüências incríveis de golpes, parecia um verdadeiro bale da luta livre. A cada golpe ele se defende sem contra atacar, pois não sabia quem ela era e não queria se explicar.__Tu não é daqui. Sabe quem eu sou? Eu sou o Anjo Urbano, O protetor dessa cidade.Ao ouvir a palavra “Protetor”, como um despertar no seu subconsciente, ela para de atacar.__Herói?__Pra começar, eu vou te soltar, e provar que não vou te fazer mal, aí a gente conversa melhor.Anjo que a segurava pelos braços para impedi-la de reagir, a solta. Ambos se encaram frente a frente.__Você não me conhece mesmo?__Foi mal, é que eu não sou dessa cidade. pensei que estivesse tentando assaltar aquele cara ou algo assim.__Não se preocupe, eu sei como é confundir o mocinho com o bandido, já passei por isso uma vez. Que tal a gente se apresentar, começar tudo de novo. Meu nome é Anjo Urbano.__Eu sei você já disse.__Claro, e o seu?__Meu nome é Onça, e mais uma vez me desculpa.Ela leva sua mão direita, no gesto de cumprimentá-lo, e ele a acompanha.__Muito prazer Onça, e tudo bem eu só perdi a chance de acabar com a quadrilha na qual ele trabalha, mas eu terei outras chances, afinal o crime nunca para. Mas me diga, de onde você é , que nunca ouvi falar de você ?__Sou do Rio de Janeiro, estou aqui pra resolver alguns assuntos pessoais.__È uma cidade muito bonita... você pretende ficar muito tempo aqui, se quiser eu te apresento a cidade.__Não, eu vou embora amanhã mesmo, e, aliás, eu nem devia ter saído assim.__Tudo bem... pode ser hoje se você quiser, a gente aproveita e patrulha a cidade juntos.__Melhor não, essa cidade já tem o seu herói, eu não quero atrapalhar o seu trabalho.__Como quiser, agora eu preciso ir, talvez eu ainda o encontre por ai.Ele corre até a janela, mas antes de pular para fora, Onça diz:__Rio de Janeiro...Sempre quis conhecer.Quem sabe, nós não nos encontramos no Rio, qualquer dia desses.__Vou torcer, pra que isso aconteça.Ele salta e desaparece. Onça se aproxima da janela e percebe que ele havia sumido pela escuridão da noite.